segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Espiritualidade libertadora e prática - Dias 10 e 11





ESPIRITUALIDADE LIBERTADORA E PRÁTICA // Dias 10 e 11


Programa completo em https://goo.gl/pihbWr.
Inscrições: Até a semana de cada etapa, dependendo da disponibilidade de vagas.
Horário: Sábado manhã e tarde + domingo manhã
Mais informações: http://goo.gl/fGvG2x.




Hoje às 22h , a TVT estreia o programa CRÔNICA DE AMÉRICA!

Hoje às 22h , a TVT estreia o programa CRÔNICA DE AMÉRICA!!!

Programa semanal de 1 hora conduzido de um estúdio pelo jornalista Victor Hugo Morales, jornalista uruguaio residente na Argentina, sobre o panorama político, social, cultural e econômico da América Latina a partir de fatos da semana ocorridos em diferentes países da região analisando-os como parte de um processo coletivo com avanços e retrocessos. O programa terá ainda, matérias, entrevistas, discussões e uma agenda com fóruns e encontros relevantes em nível político e cultural latino-americano.


Crônicas de América:
Inédito: Segundas : 22h
Reprises: Terças : 4h30 e Domingos: 23h


Como assistir a TVT:
- Canal 8.1 – UHF digital (São Paulo e Grande São Paulo)
- Canal 12 NET – (ABC)
www.tvt.org.br


Estréia na TVT: Programa Crônica de América

https://www.youtube.com/watch?v=2NKaomq0uk8


Tem novidade aqui na TVT. Estreia na segunda-feira, às dez da noite, o programa Crônica de América. É um programa semanal, de uma hora, com reportagens, entrevistas e debates, conduzido por Victor Hugo Morales, jornalista uruguaio que vive na Argentina. O "Crônica de América" vai abordar o panorama político, social, cultural e econômico da América Latina, a partir de fatos da semana, em diferentes países da região. As reportagens sobre o Brasil serão produzidas pelo nossa equipe, aqui da TVT.

Leia mais:

http://www.tvt.org.br/estreia-na-tvt-programa-cronica-de-america/


———————————————–

Assine nosso Canal e não perca nenhum conteúdo.

Inscreva-se: https://www.youtube.com/user/redetvt

Conteúdos Exclusivos:
Site: http://www.tvt.org.br/
Facebook: https://www.facebook.com/redetvt
Twitter: https://twitter.com/redetvt
G+: https://plus.google.com/+redetvt/posts

Uso de glifosato pode causar riscos à saúde, indica parecer técnico de pesquisadores da UFSC

Uso de glifosato pode causar riscos à saúde, indica parecer técnico de pesquisadores da UFSC


Agrotóxico mais vendido no Brasil, o glifosato pode estar relacionado ao aparecimento de doenças como câncer, depressão, Alzheimer, diabetes, autismo e mal de Parkinson, conforme o parecer técnico N. 01/2015, produzido por pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O herbicida e outros cinco ingredientes estão na lista de agrotóxicos que devem passar por reavaliação toxicológica até setembro,conforme determinado pela Justiça Federal no dia 25 de junho deste ano. Atualmente, o princípio ativo é considerado pouco perigoso aos humanos e ao meio ambiente, segundo classificação dos órgãos reguladores nacionais – Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A reportagem é de Luan Martendal, publicada pela UFSC e reproduzida no portal EcoDebate,  29-07-2015.

 

A análise técnica acerca dos riscos associados ao herbicida foi desenvolvida por Sonia Corina Hess, professora de Engenharia Florestal e Agronomia do campus Curitibanos, e Rubens Onofre Nodari, professor de Agronomia e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais da UFSC, em Florianópolis. A revisão bibliográfica ocorreu durante dois meses e levou em consideração pesquisas nacionais e internacionais publicadas nos últimos seis anos. O parecer foi divulgado no dia 23 de maio e enviado ao Ministério Público Federal(MPF) com o objetivo de reafirmar a necessidade de uma reavaliação imediata dos registros de produtos à base de glifosato.

Segundo o documento, dados do Ibama mostram que há sete anos o Brasil lidera o mercado de agrotóxicos do mundo e, em 2012, foi responsável por 19% das vendas mundiais desses produtos. A comercialização dos ingredientes ativos no país atingiu a marca de 495.764,55 toneladas em 2013, conforme o último Boletim Anual sobre Produção, Importação, Exportação e Vendas de Produtos Agrotóxicos do Ibama. O relatório, atualizado em setembro de 2014, apontou ainda que o glifosato e seus sais lideram o ranking de princípios ativos mais vendidos no país, com 185.956,13 toneladas.

glifosato é utilizado sobretudo na agricultura para matar plantas denominadas de invasoras de culturas de transgênicos [organismos vivos geneticamente modificados, principalmente, para apresentar resistência às pragas ou resistir a aplicação de herbicidas], além de ser usado como dessecante [produto capaz de agilizar a secagem da planta] para facilitar a colheita de grãos como soja e trigo. Para Sonia Hess, a classificação toxicológica feita pelos órgãos reguladores nacionais considera os efeitos agudos e não os efeitos crônicos do herbicida, podendo prejudicar a identificação de alterações causadas ao meio ambiente e aos humanos.

"Em uma escala que varia de 1 (extremamente tóxico) a 4 (pouco tóxico), ele é 'classe 4' pela legislação atual e, até então, não se sabia muito sobre os efeitos do glifosato. As publicações são recentes e a partir de 2009 começaram a aparecer os primeiros estudos mostrando seus efeitos tóxicos e demonstrando que ele é extremamente perigoso à saúde", explica a pesquisadora.

De acordo com a parecerista, o objetivo do trabalho é alertar as pessoas em relação ao uso incorreto do glifosato e demonstrar com clareza e acuidade científica os riscos do herbicida. "O seu banimento, em função dos efeitos tóxicos, tem sido descrito em vários artigos científicos. Mal de Alzheimer, depressão, câncer, infertilidade, problemas de má formação em crianças, até autismo e neurotoxidade, eram todos aspectos que não se conheciam e que agora estão sendo demonstrados. Muitos dos problemas que o glifosato causa são por que ele interfere na atividade das bactérias que ajudam o nosso corpo, ele mata as bactérias", completa.

Contaminação

O parecer técnico aponta que a quantidade necessária para causar efeitos na saúde é muito baixa. Os pesquisadores demonstram que quando aplicado nas lavouras e utilizado como dessecante, o princípio ativo contamina a planta e consequentemente os alimentos, que podem apresentar teores variados de glifosato. "As concentrações que a literatura descreve são muito baixas e têm efeito biológico intenso. Isso é grave já que no momento que se trata trigo, milho, soja, com esse dessecante, o alimento é contaminado e não existe uma forma de limpar e retirar o produto. Até os animais, que servem de alimento para o ser humano, estão sendo contaminados", explica Sonia.

Ela destaca que o ingrediente ativo também pode causar danos ao solo e à água. "A produtividade agrícola está sendo ameaçada. Ele afeta o ecossistema agrícola de forma muitas vezes até irreversível, pois o solo é um material vivo e o glifosato mata todas essas bactérias, prejudicando sua fertilidade. Muitas cidades também já estão apresentando análise de água contendo resíduos do herbicida", conclui.

No dia 20 de março, em Lyon, na França, o glifosato foi inserido na lista de prováveis cancerígenos para os seres humanos pela International Agency for Research on Cancer (IARC), ligada à Organização Mundial de Saúde (OMS), na categoria 2A. A classificação feita por 17 especialistas de 11 países é a mesma utilizada para esteróides anabolizantes, por exemplo. A divulgação também reforça o debate em torno da reavaliação da toxidade do glifosato pela Anvisa, o Ibama e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Mortes comprovadas

Uma petição do MPF enviada à Justiça há três meses confirma dezenas de mortes provocadas pelos componentes dos produtos usados na agricultura brasileira, incluindo o glifosato. No documento, o procurador da República Anselmo Henrique Cordeiro Lopes cita relatórios dos Centros de Informações e Assistência Toxicológica do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os três estados contabilizaram 88 mortes, entre 2009 e 2013, por "exposição aguda aos ingredientes dos agrotóxicos". O mesmo requerimento indica que seja concluída com urgência a reavaliação toxicológica do glifosato e recomenda o banimento do herbicida no mercado nacional.

O procurador aponta ainda as estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca) e da OMS de que o câncer será a principal causa de óbitos no Brasil nos próximos cinco anos, parte deles em decorrência do aumento no uso de agrotóxicos.

A petição indica também que o MPF apresentou pedido aos 34 Centros de Informações e Assistência Toxicológica do país para que informem registros de eventuais intoxicações ocorridas, em 2014, que possam estar relacionadas à exposição a agrotóxicos que contenham os ingredientes ativos mencionados em ações movidas pelo órgão.


"Os Biomas Brasileiros e a Teia da Vida. 14ª Páscoa IHU"

Anualmente o Instituto Humanitas Unisinos - IHU propõe por ocasião do período da Páscoa uma programação de atividades acadêmicas que envolve diálogos e debates sobre temas relevantes da atualidade. Já em sua 14ª edição, em 2017 essa programação terá como fio condutor o tema "Biomas Brasileiros: A Teia da Vida", tendo em vista estudar transdisciplinarmente os biomas brasileiros, considerando suas características, demandas e desafios atuais de proteção da sua megabiodiversidade, suas inter-relações, potencialidades, situações de riscos e sua importância para a vida no Planeta. Objetivo Geral – Analisar transdisciplinarmente os biomas brasileiros, considerando suas características, inter-relações, potencialidades, situações de riscos e sua importância para a vida no Planeta. 


Já estão abertas as inscrições para o ciclo "Os Biomas Brasileiros e a Teia da Vida. 14ª Páscoa IHU", onde serão analisados transdisciplinarmente os biomas brasileiros, considerando suas características, inter-relações, potencialidades, situações de riscos e sua importância para a vida no Planeta.

Confira alguns dos conferencistas confirmados:

– Demétrio de Freitas Xavier – Locutor da FM Cultura e apresentador da TVE Piratini, Porto Alegre/RS
– Prof. Dr. Pierre Girard – Universidade Federal do Mato Grosso – UFMT
– Cláudio Ângelo – Observatório do Clima
– Prof. Dr. Altair Sales Barbosa – Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC Goiás
– MS Rodrigo Castro – Aliança da Caatinga e a Associação Caatinga
– Prof. Dr. José Roque Junges – Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS



quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

ESPIRITUALIDADE LIBERTADORA E PRÁTICA // Dias 10 e 11


ESPIRITUALIDADE LIBERTADORA E PRÁTICA // Dias 10 e 11

Programa completo em https://goo.gl/rc1ugg.
Inscrições: Até a semana de cada etapa, dependendo da disponibilidade de vagas.
Horário: Sábado manhã e tarde + domingo manhã
Investimento: R$ 80 por etapa
Mais informações: https://goo.gl/GOn8Cp.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Advento, deixa-te surpreender

Advento, deixa-te surpreender

“...levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima” (Lc 21,28)

Mais uma vez o Advento vem ao nosso encontro, e com ele o convite para continuar ampliando espaços para Deus em nossas vidas. Uma oportunidade para escutar de novo sua promessa: promessa de nova vida, de um novo ânimo, uma nova esperança.

Podemos acolher este tempo com a marca da rotina (mais um ano, repetir as mesmas palavras, a espera, o “vem, Senhor”...); ou mobilizando-nos e abrindo-nos à surpresa de Deus, que virá a nós como chamado, como possibilidade, como grito para despertar-nos... Que nos abramos ao novo!

O melhor do Deus que vem é que Ele se manifesta de maneiras inesperadas: desfaz certezas, rompe convenções, renova sonhos, não busca brilhos ou ornamentos, aplausos ou adesões forçadas. Sua chegada não exige cobranças nem condiciona com exigências desmedidas. A esperança abre passagem por onde menos esperamos. E Deus continua aparecendo onde e quando ninguém espera.

Para “conhecer” a realidade e a verdade do Advento precisamos de olhos novos e de um coração novo. É necessário despertar aquela “sensibilidade” escondida e abafada pelo ativismo e pelo ritmo estressante de nossa vida. No Advento, toda a humanidade é atingida como que por um raio, é tomada de surpresa. A sua noite, o seu silêncio, o seu sono, a sua rotina diária... é quebrada por uma novidade absoluta.

O Advento é, por sua própria natureza, uma surpresa que quebra a solidão das pessoas abandonadas a si mesmas, que irrompe no meio de uma vida sem sentido e sem direção, que traz luz para os ambientes fechados e frios.

A “sensibilidade” despertada pelo Advento recupera em nós o sentido da surpresa, recobra a atitude da expectativa, da novidade, do assombro... diante da vida. Porque é no traçado das horas e dos dias que Deus prepara sempre a sua novidade, a sua surpresa, o seu dom natalício. Tal surpresa faz brotar o entusiasmo para enfrentarmos os desafios da vida, despertando projetos arquivados, suscitando dinamismo novo no cotidiano pesado, fazendo-nos levantar de novo e retomar o caminho...

Precisamos conservar límpidos os olhos do espírito, prontos para perceber a maravilha que está germinando na nossa vida. O Advento quer reafirmar a possibilidade de uma alternativa, da chegada de um hóspede inesperado, porque é “boa nova”, é evangelho. Por isso, o cristão não deve jamais cair na resignação, mas permanecer em vigília, na expectativa; ele deve ser também uma surpresa para os outros, com seu gesto de amor imprevisto, com sua palavra que reanima, com sua visita que consola, com sua atenção para com todos os que levam uma vida obscura e monótona. Ele olha o mundo com inteligência, sim, mas também com a simplicidade das pombas; sabe intuir o bem secreto, também sabe apreciar a poesia da vida e da natureza.

No evangelho de hoje(1º dom advento), Jesus dá por suposto a existência de situações desastrosas que nos sacodem, enchendo-nos de ansiedade e preocupação; mas, onde nós só vemos catástrofes, Jesus vê “sinais”. E a condição para descobri-los é erguer a cabeça, levantar os olhos, ir mais além do imediato que nos cega e nos prende em redes de desejos insatisfeitos, em obsessões por conservar modos de vida que considerávamos definitivos, em temores que embotam nosso coração impedindo o fluir da vida.

Curvados sobre nós mesmos, sem horizonte, sem poder olhar de frente, nem entrar em relação de reciprocidade, carregando durante longo tempo um peso excessivamente grande (culpa, ressentimento, vergonha), bloqueados, privados de nosso próprio potencial: este é o drama que nos desumaniza. Nossos corpos encurvados se fazem texto, linguagem, grito, petição... para serem endireitados. Nesse contexto ressoa com força o apelo de Jesus: “levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima”.

Nosso corpo fala mais e com mais veracidade que nossas palavras, o que irradiamos revela algo sobre nós. E há corpos que em silêncio clamam por cura e cuidado. É preciso interrogar nossos corpos para que eles nos contem suas histórias guardadas: seus segredos, suas dores, suas vivências. Devemos ser capazes de lê-los e respeitá-los, para poder devolver-lhes sua harmonia e sua beleza originais.

É nosso próprio corpo posto de pé, é nossa própria vida circulando sem ataduras, é a libertação de nossas forças afetivas, a possibilidade de olhar outros olhos sem temor e de entrar em comunicação... que nos faz experimentar uma relação nova com a vida. Aspiração, sede, ansiedade, expectativa, estar de pé: isso é o que nos invade quando sentimos que se aproxima algo que desejamos de verdade. Pois isso é o Advento: tempo para os grandes sonhos.

Só os medíocres ou os desesperados renunciam a sonhar. Pois bem, se o desânimo nos assalta, é tempo novo para levantar a cabeça, olhar ao longe, bem para fora, bem para dentro. Deixar que ressoe como uma promessa a Voz de um Deus que atravessa o tempo para dizer-nos: “aproxima-se vossa libertação”.

Mergulhados naquilo que é margem, passageiro, na superfície das coisas, perdemos de vista o essencial e caímos na resignação. Perdida a capacidade de maravilhar-nos, o Advento esvazia-se e torna-se mais um tempo litúrgico rotineiro.

Poderíamos dizer que o Advento nos apresenta uma “espiritualidade do despertar”. Se estamos adormecidos ou anestesiados, sem nos encantar com a maravilha e o desafio de estarmos vivos, precisamos despertar. Despertar para a gratuidade da vida, para o chamado à convivência e comunhão, despertar para uma presença misericordiosa. Jesus vem despertar-nos e ativar nossa esperança.

É preciso saber olhar, abrir os olhos, ler a vida e despertar-nos para aquilo que acontece à nossa volta. Se há uma palavra que perpassa todas as tradições religiosas, essa palavra é “despertar”, não no sentido individualista e moralizante, ou seja, manter um adequado comportamento moral para, desse modo, alcançar a salvação.

O chamado original a “despertar” reveste-se de uma profundidade muito maior, que conecta com aquela palavra com a qual Jesus inicia sua atividade pública: “convertei-vos”. Na realidade, trata-se de um novo modo de olhar ou de conhecer, de um “conhecer mais além da aparência”.

Quê significa “despertar”? Em quê sonhos estamos mergulhados? Como dar-nos conta de que estamos “adormecidos”? Há algo que possamos fazer?... Todas estas questões são evocadas pelo convite que aparece na boca da Jesus: “Estai sempre despertos”.

A pessoa desperta é aquela que experimentou intensamente a vida e, graças a isso, vive ancorada, enraizada e conectada com a sua verdadeira identidade, ao seu eu original e universal.

Texto bíblico: Lc 21,25-28.34-36

Na oração: Quando foi Deus, para você, o Deus inesperado?”

Em quê se concretiza para você a promessa de Deus? Quê espera ou deseja de verdade? Qual é a boa notícia na qual você acredita? Como vive você este Advento? Quê há, em sua vida, de busca, sonho, aspiração, desejo... em sintonia com Deus?

Pe. Adroaldo Palaoro sj
Diretor do Centro de Espiritualidade Inaciana -CEI

http://www.catequesehoje.org.br/index.php/raizes/espiritualidade/971-advento-deixa-te-surpreender

Seminário Estadual “Comunicação, Democracia e Resistência” começa nesta quinta

30 novembro, quarta-feira, 2016 às 11:46 am


capa

Começa nesta quinta-feira (1º), às 9h, o Seminário Estadual "Comunicação, Democracia e Resistência",  no auditório da Fetrafi-RS (Rua Fernando Machado, 820), no centro de Porto Alegre. Após a solenidade de abertura, terá início a primeira mesa temática "O Brasil e a Comunicação que queremos", com o sociólogo Emir Sader e o professor e pesquisador Pedrinho Guareschi. O evento conta com 150 inscritos, dentre jornalistas, dirigentes sindicais e ativistas sociais.

O evento é organizado pela CUT-RS, Sindicato dos Jornalistas (Sindijors), Sinpro-RS, Fetrafi-RS e Federação dos Metalúrgicos (Ftm-RS), em parceria de várias federações e sindicatos estaduais, com o apoio da CUT Nacional, Escola Sul da CUT e do Comitê Gaúcho do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC).

Estará presente o secretário nacional de Comunicação da CUT, Roni Barbosa.

Painel com Franklin Martins

As inscrições foram encerradas por falta de espaço no auditório, mas quem não conseguiu poderá participar do painel com o jornalista e ex-ministro Franklin Martins, que será realizado com entrada franca nesta quinta, às 19h, no Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa.

Franklin no cartaz

Franklin trabalhou no Jornal do Brasil, O Globo, o Estado de São Paulo, nas rádios CBN e Bandeirantes, no SBT, na TV Globo e na TV Bandeirantes. Foi correspondente do Jornal do Brasil em Londres. Durante o segundo mandato do presidente Lula, ocupou o cargo de ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

Durante a ditadura militar, ele foi um dos principais dirigentes do movimento estudantil brasileiro em 1968. Participou ativamente da luta pela redemocratização do país, vivendo cinco anos e meio na clandestinidade e cinco anos e meio no exílio.

Mídia em debate

A manipulação mídia tradicional e a construção de novas mídias estarão em discussão no seminário, que terá cinco mesas temáticas e três oficinas, com a participação de jornalistas, cientistas políticos, radialistas, professores, pesquisadores e ativistas digitais, como Emir Sader (foto), Juremir Machado da Silva, Moisés Mendes, Pedrinho Guareschi, Celso Schroeder, Renata Mieli, Paulo Salvador, Roni Barbosa, Vera Gasparetto, Guilherme Oliveira, Luiz Damasceno, Ediane Oliveira, Beatriz Fagundes, Carmen Crochemore e Lúcio Uberdan.

Emir Sader3

Estarão em debate temas como o Brasil e a comunicação que queremos, a política e a comunicação, a mídia alternativa e independente e o ativismo digital, a democratização da comunicação, as mídias sociais e a formação de redes,  a mulher na mídia, a rádio comunitária e o vídeo independente, e os desafios da comunicação sindical.

"Tenho certeza de que será um seminário que contribuirá, e muito, para que o movimento sindical possa avançar na comunicação dos trabalhadores e na luta destemida pela democratização da mídia, nestes tempos de resistência ao golpe parlamentar, jurídico, empresarial e midiático", projeta o secretário de Comunicação da CUT-RS, Ademir Wiederkehr.

Veja a programação completa:

Seminário Estadual

COMUNICAÇÃO, DEMOCRACIA, RESISTÊNCIA

1º de dezembro – Quinta-feira

8h30 – Início do credenciamento

9h – Abertura do evento com a participação na mesa das entidades parceiras na promoção e organização.

10h – Mesa temática de abertura "O Brasil e a Comunicação que queremos" com o sociólogo Emir Sader e o professor e pesquisador Pedrinho Guareschi.

12h – Intervalo para almoço

14h – Oficina sobre "Mídias Sociais e formação de redes" – ativista digital Lúcio Uberdan e jornalista Luiz Damasceno (colaborador da Mídia Ninja);

14h – Oficina sobre "Rádio comunitária e vídeo independente" – jornalistas Ediane Oliveira (RádioCom de Pelotas) e Guilherme Oliveira (Correria/TVT)

14 h – Oficina sobre "Mulher, mídia e poder" – jornalista Vera Gasparetto, da Escola Sul da CUT, e radialista Beatriz Fagundes (Manawa – Rádio Web)

16h – Intervalo para cafezinho

16h30 – Mesa temática "Política e Comunicação" com os jornalistas Juremir Machado da Silva e Moisés Mendes.

18h30 – Deslocamento para a Assembleia Legislativa

19h – Painel aberto ao público com o jornalista e ex-ministro Franklin Martins sobre o tema: "Comunicação, Democracia e Resistência" no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa


2 de dezembro – Sexta-feira

9h – Mesa temática "Democratização da Comunicação" com os jornalistas Celso Schroeder (diretor da FENAJ) e Renata Miele (coordenadora do FNDC);

10h30 – Intervalo para cafezinho

11h – Mesa temática "Mídia Alternativa e ativismo digital" com Carmen Crochemore (Sul21) e jornalista Paulo Salvador (Rede Brasil Atual/TVT).

12h30 – Intervalo para almoço

14h – Mesa temática "Desafios da Comunicação Sindical" com o secretário de Comunicação da CUT Nacional, Roni Barbosa, o secretário de Comunicação da CUT/RS, Ademir Wiederkehr, o diretor do Sinpro/RS, Marcos Fuhr, a diretora do SindBancários, Ana Guimaraens, e outros sindicatos.

16h30 – Encerramento

Organização

 

Fonte: CUT-RS



terça-feira, 29 de novembro de 2016

NOTA DE REPÚDIO A PEC 55 (EX-PEC 241)

NOTA DE REPÚDIO A PEC 55 (EX-PEC 241)


Nós, cidadãos e cidadãs do estado do Rio Grande do Sul, firmamos a presente NOTA DE REPÚDIO À PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 55, de iniciativa dos/das participantes do Curso 2016 – Ano 13, da Escola de Fé, Política e Trabalho, e tornamos público nosso repúdio à PEC 55/2016, já aprovada na Câmara de Deputados (PEC 241/2016), que congela os gastos públicos por 20 anos, o que deve afetar, entre outros investimentos, aqueles em educação, saúde, produção de alimentos, cultura e segurança.

Nesse sentido, conforme demostram diversos estudos realizados, afirmamos que nenhum país do mundo definiu por lei limite de gastos públicos.

Ainda, a PEC 55 fere a soberania e o voto popular e irá aprofundar a desigualdade e injustiça social.

Assim, reiteramos nossa crítica à limitação que a mesma determina ao aumento futuro dos investimentos públicos em saúde e educação, e da mesma forma a diferentes políticas públicas no sentido da inclusão social, porém, não impõe limites aos gastos com o capital financeiro – voltado ao pagamento de juros e amortização da dívida pública – que representam mais de 45% do orçamento da União.

Cumpre esclarecer que a PEC 55 está em desacordo com o disposto na Constituição Brasileira de 1988, que dá ampla garantia aos direitos fundamentais, estabelecendo que as normas definidores dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata (art. 5º, §1º, CF/88), e que não admite deliberação e proposta de emenda que pretenda abolir os direitos e garantias fundamentais (artigo 60, §4º, IV, CF/88).

Todavia, o Princípio de Proibição de Retrocesso Social, implícito na Constituição brasileira de 1988, veda a supressão ou da redução de direitos fundamentais.

Assim, reiteramos nosso compromisso com os direitos sociais e fundamentais, e defendemos o amplo debate com a sociedade, no sentido de permitir que a população seja esclarecida dos reais impactos dessa medida e dos danos aos direitos sociais e fundamentais, às políticas e programas sociais, e a sociedade brasileira.

NÃO À PEC 55!

Caxias do Sul, 29 de novembro de 2016.

Participantes do Curso 2016 – Ano 13, da Escola de Fé, Política e Trabalho, e cidadãos e cidadãs do estado do Rio Grande do Sul, que também firmam.





...

OBS.:
Esta NOTA DE REPÚDIO À PEC 55 (EX-PEC-241) foi encaminhada a todos os Senadores e Senadoras, por correio eletrônico:

acir@senador.leg.br, aecio.neves@senador.leg.br, aloysionunes.ferreira@senador.leg.br, alvarodias@senador.leg.br, ana.amelia@senadora.leg.br, angela.portela@senadora.leg.br, antonio.anastasia@senador.leg.br,
antoniocarlosvaladares@senador.leg.br, armando.monteiro@senador.leg.br, ataides.oliveira@senador.leg.br, benedito.lira@senador.leg.br, cassio.cunha.lima@senador.leg.br, cidinho.santos@senador.leg.br,
ciro.nogueira@senador.leg.br, cristovam.buarque@senador.leg.br, dalirio.beber@senador.leg.br, dario.berger@senador.leg.br, davi.alcolumbre@senador.leg.br, edison.lobao@senador.leg.br, eduardo.amorim@senador.leg.br, eduardo.braga@senador.leg.br, eduardo.lopes@senador.leg.br, elmano.ferrer@senador.leg.br, eunicio.oliveira@senador.leg.br, fatima.bezerra@senadora.leg.br,
fernandobezerracoelho@senador.leg.br, fernando.collor@senador.leg.br, flexa.ribeiro@senador.leg.br, garibaldi.alves@senador.leg.br, gladson.cameli@senador.leg.br, gleisi@senadora.leg.br, humberto.costa@senador.leg.br, heliojose@senador.leg.br, ivo.cassol@senador.leg.br, jader.barbalho@senador.leg.br, jorge.viana@senador.leg.br, jose.agripino@senador.leg.br, joseanibal@senador.leg.br, jose.maranhao@senador.leg.br, josemedeiros@senador.leg.br, jose.pimentel@senador.leg.br, joao.alberto.souza@senador.leg.br, joao.capiberibe@senador.leg.br, katia.abreu@senadora.leg.br, lasier.martins@senador.leg.br, lindbergh.farias@senador.leg.br, lidice.mata@senadora.leg.br, lucia.vania@senadora.leg.br, magno.malta@senador.leg.br, marta.suplicy@senadora.leg.br, omar.aziz@senador.leg.br, otto.alencar@senador.leg.br, paulo.bauer@senador.leg.br, paulopaim@senador.leg.br, paulo.rocha@senador.leg.br, pedrochaves@senador.leg.br, raimundo.lira@senador.leg.br, randolfe.rodrigues@senador.leg.br, reginasousa@senadora.leg.br, reguffe@senador.leg.br, renan.calheiros@senador.leg.br, ricardo.ferraco@senador.leg.br, roberto.muniz@senador.leg.br, roberto.requiao@senador.leg.br, robertorocha@senador.leg.br, romero.juca@senador.leg.br, romario@senador.leg.br, ronaldo.caiado@senador.leg.br, rose.freitas@senadora.leg.br, simone.tebet@senadora.leg.br, sergio.petecao@senador.leg.br, tasso.jereissati@senador.leg.br, telmariomota@senador.leg.br, valdir.raupp@senador.leg.br, vanessa.grazziotin@senadora.leg.br, vicentinho.alves@senador.leg.br, waldemir.moka@senador.leg.br, wellington.fagundes@senador.leg.br, wilder.morais@senador.leg.br, zeze.perrella@senador.leg.br



NOTA DE REPÚDIO A PEC 55 (EX-PEC 241)

NOTA DE REPÚDIO A PEC 55 (EX-PEC 241)


Nós, cidadãos e cidadãs do estado do Rio Grande do Sul, firmamos a presente NOTA DE REPÚDIO À PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 55, de iniciativa dos/das participantes do Curso 2016 – Ano 13, da Escola de Fé, Política e Trabalho, e tornamos público nosso repúdio à PEC 55/2016, já aprovada na Câmara de Deputados (PEC 241/2016), que congela os gastos públicos por 20 anos, o que deve afetar, entre outros investimentos, aqueles em educação, saúde, produção de alimentos, cultura e segurança.


Nesse sentido, conforme demostram diversos estudos realizados, afirmamos que nenhum país do mundo definiu por lei limite de gastos públicos.


Ainda, a PEC 55 fere a soberania e o voto popular e irá aprofundar a desigualdade e injustiça social.


Assim, reiteramos nossa crítica à limitação que a mesma determina ao aumento futuro dos investimentos públicos em saúde e educação, e da mesma forma a diferentes políticas públicas no sentido da inclusão social, porém, não impõe limites aos gastos com o capital financeiro – voltado ao pagamento de juros e amortização da dívida pública – que representam mais de 45% do orçamento da União.


Cumpre esclarecer que a PEC 55 está em desacordo com o disposto na Constituição Brasileira de 1988, que dá ampla garantia aos direitos fundamentais, estabelecendo que as normas definidores dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata (art. 5º, §1º, CF/88), e que não admite deliberação e proposta de emenda que pretenda abolir os direitos e garantias fundamentais (artigo 60, §4º, IV, CF/88).


Todavia, o Princípio de Proibição de Retrocesso Social, implícito na Constituição brasileira de 1988, veda a supressão ou da redução de direitos fundamentais.


Assim, reiteramos nosso compromisso com os direitos sociais e fundamentais, e defendemos o amplo debate com a sociedade, no sentido de permitir que a população seja esclarecida dos reais impactos dessa medida e dos danos aos direitos sociais e fundamentais, às políticas e programas sociais, e a sociedade brasileira.


NÃO À PEC 55!


Caxias do Sul, 29 de novembro de 2016.


Participantes do Curso 2016 – Ano 13, da Escola de Fé, Política e Trabalho, e cidadãos e cidadãs do estado do Rio Grande do Sul, que também firmam

sábado, 26 de novembro de 2016

Una triste noticia

FRANCISCO EXPRESÓ SUS CONDOLENCIAS AL PUEBLO CUBANO
"Una triste noticia", dijo el Papa
En un telegrama enviado a Raúl Castro, Jorge Bergoglio mostró su pesar por la muerte del líder cubano.
Francisco estuvo con Fidel Castro en septiembre del año pasado durante su visita a Cuba. (Fuente: Télam)
Francisco estuvo con Fidel Castro en septiembre del año pasado durante su visita a Cuba. 
(Fuente: Télam)

El papa Francisco consideró que la muerte de Fidel Castro es "una triste noticia" y envió sus condolencias a su familia y al pueblo cubano. Lo hizo a través de un telegrama enviado a Raúl Castro, presidente de Cuba y hermano del fallecido líder.

El Papa expresó sus "sentimientos de pesar" por "la triste noticia" de la muerte de Castro, a quien tuvo ocasión de saludar a Fidel Castro en septiembre de 2015, durante la visita que hizo a Cuba. Entonces, pasó por la isla como escala previa a su llegada a los Estados Unidos, en pleno proceso de deshielo en las relaciones entre ambos países, en el que tuvo mucho que ver el Vaticano.

Francisco fue clave en las negociaciones, que llegaron a buen puerto en diciembre de 2014. Fueron varios meses de encuentros en absoluto secreto, luego de que Jorge Bergoglio enviara cartas a Barack Obama y Raúl Castro ofreciendo la Santa Sede como punto neutral para negociar el restablecimiento de relaciones. Obama había visitado al Papa en Roma, en marzo de ese año, y desde entonces fructificaron los encuentros con los representantes cubanos, hasta el anuncio del histórico acuerdo, hace casi dos años.

El telegrama enviado a La Habana, y que difundió la sala de prensa de prensa del Vaticano dice lo siguiente:

"EXCELENTÍSIMO SEÑOR RAÚL MODESTO CASTRO RUZ

PRESIDENTE DE LOS CONSEJOS DE ESTADO Y DE MINISTROS DE LA REPÚBLICA DE CUBA

LA HABANA

AL RECIBIR LA TRISTE NOTICIA DEL FALLECIMIENTO DE SU QUERIDO HERMANO, EL EXCELENTÍSIMO SEÑOR FIDEL ALEJANDRO CASTRO RUZ, EXPRESIDENTE DEL CONSEJO DE ESTADO Y DEL GOBIERNO DE LA REPÚBLICA DE CUBA, EXPRESO MIS SENTIMIENTOS DE PESAR A VUESTRA EXCELENCIA Y A LOS DEMÁS FAMILIARES DEL DIFUNTO DIGNATARIO, ASÍ COMO AL GOBIERNO Y AL PUEBLO DE ESA AMADA NACIÓN.

AL MISMO TIEMPO, OFREZCO PLEGARIAS AL SEÑOR POR SU DESCANSO Y CONFÍO A TODO EL PUEBLO CUBANO A LA MATERNA INTERCESIÓN DE NUESTRA SEÑORA DE LA CARIDAD DEL COBRE, PATRONA DE ESE PAÍS.

FRANCISCO PP."

https://www.pagina12.com.ar/5410-una-triste-noticia-dijo-el-papa